fbpx

Escola dos Games

O maior portal de e-sports do Brasil

Os 6 campeões mais nerfados da história do League of Legends

  • INTRODUÇÃO

Dentre as incontáveis mudanças que já foram realizadas no League of Legends, que fizeram com que o jogo fosse evoluindo para se tornar cada vez mais cativante e bem funcional, as mudanças feitas nos campeões e em suas habilidades e status certamente estão entre as que mais afetam os players.

Isso porque essa dinâmica de buffs e nerfs faz com que o meta dos campeões se altere a todo momento, e um determinado personagem que ontem parecia inviável, pode simplesmente aparecer como uma das escolhas mais em um curto período de tempo, caso ele seja consideravelmente buffado.

Porém, hoje nós estamos aqui para falarmos do outro lado da moeda. Alguns campeões são extremamente problemáticos para a Riot Games e para o jogo em si, uma vez que são bem difíceis de se balancear e podem dominar o meta por completo caso eles não sejam devidamente controlados.

Por isso, hoje falaremos de 6 dos campeões mais nerfados da história do jogo. Antes de iniciar o vídeo, deixa nos comentários a sua opinião:

Qual campeão necessita de um nerf urgentemente?

  • DESENVOLVIMENTO
  • 6° lugar: Kalista, a Lança da Vingança

Como já citamos no nosso vídeo sobre os campeões mais difíceis de se masterizar, Kalista possui uma proposta bem única entre os atiradores, mas seu kit lhe fornece ferramentas para que ela seja absolutamente dominante na fase de rotas.

Lançada em 2014, Kalista rapidamente foi abraçada pelos elos de elite e pelo competitivo, que enxergaram a campeã como uma das melhores escolhas para a posição de atirador. Além da já citada fase de rotas muito opressiva e dominante, Kalista possui tracking de mapa com seu W, controle de objetivo com seu E, e uma ferramenta incrível de reposicionamento de aliado com seu Ultimate.

Todas essas ferramentas fizeram com que Kalista brilhasse, sendo extremamente difícil de ser enfrentada na bot lane, especialmente quando aliada a um suporte agressivo com bastante controle de grupo, que possibilitasse com que ela acumulasse a maior quantidade possível de lanças em seu alvo.

Já a partir da 6° temporada, a Riot passou a fazer mudanças que visavam controlar o poder da campeã. Entre vários enfraquecimentos em seus atributos e nos números de suas habilidades, ela também recebeu algumas mudanças em seus efeitos, e esses foram com certeza os mais impactantes para a campeã.

Kalista recebeu uma mudança que fez com que sempre que a campeã recebesse um efeito de lentidão, a velocidade dos saltos de sua passiva diminuisse, e consequentemente, seus ataques básicos demoravam mais para serem efetuados. Se você não sabe bem do que estou falando, experimente receber a lentidão do Nasus enquanto você joga de Kalista. É praticamente um atordoamento.

A outra mudança considerável, é que a sua habilidade Lacerar deixou de recuperar 100% da mana gasta na habilidade caso um alvo fosse abatido. Essa possibilidade fazia com que Kalista tivesse controle absoluto de seu farm e da wave adversária, e também potencializava muito sua capacidade de causar dano constante na fase de rotas.

Após todas essas mudanças, Kalista se encontra numa situação bem mais complicada nos dias de hoje. Sua taxa de vitória e sua taxa de escolhas não chegam nem perto do valor altíssimo que já atingiram um dia.

  • 5° lugar: Gangplank, o Terror dos Doze Mares

O temível pirata da rota do topo é outro personagem que causou bastante dor de cabeça para a Riot Games, já que depois de seu rework, Gangplank acabou saindo do controle da equipe de balanceamento do jogo.

Em 2015, seu kit de habilidades foi mudado. Sua passiva, seu Q, seu W e seu R se mantiveram com uma ideia bem semelhante, enquanto seu E foi totalmente alterado e se tornou a habilidade mais icônica do campeão. A mecânica de explodir barris garantiu com que Gangplank tivesse uma ascenção meteórica em todos os níveis de jogo.

No primeiro campeonato Mundial no qual o novo Gangplank esteve disponível, o de 2015, ele teve uma presença absoluta nos picks e bans: 100%.

Sua fase de rotas extremamente sólida contra qualquer campeão, possuindo características de um lutador aliado a seu moderado alcance com suas habilidades Negociar e Barril de Pólvora, fizeram com que Gangplank fosse uma escolha praticamente incontestável.

Seja se utilizando da runa Aperto dos Mortos Vivos ou da já removida Cleptomancia, essa fase de rotas totalmente segura fazia com que Gangplank pudesse escalar sem muitos problemas, para se tornar a máquina de one shot com um só combo de barril que bem conhecemos.

Gangplank recebeu uma quantidade severa de nerfs em sequência, incluindo aqueles que reduziram sua capacidade de carregar barris de 5 unidades para apenas 3, e reduzindo também a penetração de armadura que o dano dessa habilidade possuia.

Hoje em dia, após todas essas mudanças, Gangplank possui um win rate moderado e é bem menos presente nos elos altos e no competitivo, mas continua sendo capaz de impactar bastante nos seus jogos, nas mãos de quem sabe utilizar seu kit.

  • 4° lugar: Aphelios, a Arma dos Devotos

Passando agora para mais um personagem atirador, Aphelios é o campeão mais recente dessa lista, mas mesmo sendo relativamente novo, já causou muita dor de cabeça para a Riot Games e para os players com seu kit totalmente peculiar e extenso.

A proposta de Aphelios é a de ser um atirador bastante diversificado em suas formas de causar dano. Ele não possui algum tipo de mobilidade efetiva, nem ferramentas de defesa, mas suas 5 diferentes armas são únicas e possuem efeitos e habilidades totalmente destrutivas.

Quando Aphelios estava para ser lançado, muitos jogadores se questionavam se o seu kit extremamente vasto não seria um pouco demais, e se o campeão acabaria saindo de controle. E, pra a surpresa de poucos, foi exatamente o que aconteceu.

Sua enorme variedade de habilidades de alto dano físico fizeram com que o campeão precisasse receber severas mudanças, principalmente em seus status e atributos. Entre as mudanças nos efeitos de suas skills, a mais impactante foi a redução do alcance da passiva de Calibrum, que faz com que Aphelios possa clicar com o botão direito num adversário atingido por alguma habilidade da arma, para acertá-lo com um ataque de sua arma secundária. Essa distância era global, mas hoje em dia, foi reduzida para 1800 unidades de distância.

Após ter sido uma das escolhas mais fortes das ligas competitivas ao redor de todo o mundo, e depois de dezenas e dezenas de nerfs sucessivos, Aphelios está com uma taxa de vitória baixa nas filas ranqueadas, apesar de ainda possuir uma taxa de escolha mediana. Apesar disso tudo, ele continua uma ferramenta extremamente destrutiva nas mãos de jogadores experientes jogando em times bem coordenados.

PROTA GAMES

Quer aprender a subir de elo através de aulas exclusivas com jogadores profissionais?

É o método mais rápido e seguro de aprender todos os conceitos técnico que você precisa aprender para evoluir no League of Legends.

Visite o nosso site e tenha acesso a mais de 40 horas de conteúdo exclusivo por apenas R$29,99 ao mês.

  • 3° lugar: Akali, a Assassina Renegada

Se o Gangplank foi o verdadeiro terror da Season 5, a Akali detém esse mesmo título quando estamos falando da Season 9 e do início da Season 10. Após o seu rework, seu kit de habilidades era extremamente poderoso e precisou sofrer varios ajustes para poder voltar a um ponto mais aceitável.

Seja na rota do topo ou na rota do meio, Akali possui uma fase de rotas praticamente incounterável, e é praticamente imune a ganks com sua habilidade Proteção do Crepúsculo. Após terminar sua Pistola Laminar Hextec, ela se torna tanto uma duelista quase invencível quanto uma assassina extremamente competente, ao mesmo tempo.

Toda essa flexibilidade e força de jogo fizeram com que a Akali simplesmente destruísse o competitivo do início desse ano, e segundo o Lol Esports Stats, ela possuia 99.4% de presença global no começo de 2020, e esse estudo considerou 8 das mais fortes ligas competitivas ao redor do mundo.

Quando seu rework saiu, seu kit possuia algumas ferramentas muito fortes e opressivas, que foram removidas aos poucos pela Riot. Entre elas, podemos citar duas principais mudanças. A primeira diz respeito a seu W, a Proteção do Crepúsculo, que originalmente fazia com que a Akali não pudesse ser revelada de sua invisibilidade por absolutamente nada, nem mesmo a visão das torres. Hoje em dia, para a alegria de todos, esse efeito totalmente exagerado já não existe mais.

O outro foi uma mudança na sua Ultimate, que mudou o tipo de conjuração da habilidade de escolha livre para escolha com alvo. Ou seja: antigamente, a Akali podia usar sua Ultimate em qualquer lugar, já hoje em dia ela precisa obrigatoriamente selecionar um campeão adversário para que a primeira utilização de sua ultimate seja conjurada. Já a segunda ativação segue funcionando livremente, independente de ter um alvo para selecionar, assim como antigamente.

Depois de todas essas mudanças e outros vários nerfs em seus status, a Akali se encontra numa posição bem mais controlada, com uma presença considerável e uma taxa de vitórias bem mais modesta.

  • 2° lugar: Kassadin, o Andarilho do Vazio

No Mundial de 2014, podemos encontrar uma amostra bem clara do quão perigoso o Kassadin era nessa época. Na partida entre Curse e LMQ, Voyboy teve a oportunidade de jogar com o Andarilho do Vazio, enquanto o seu adversário escolheu Pantheon para jogar contra ele, um counterpick clássico para o campeão.

Apesar disso, Kassadin era realmente imparável. Aos 30 minutos de partida, enquanto a LMQ tentava fazer o Barão, a icônica cena: Voyboy se aproxima com seu Kassadin de Manopla do Gelo e Coração Congelado, obrigando os 3 adversários a flashar pelo pit e correr para longe o mais rapido possível.

O campeão era um verdadeiro monstro, que precisou ser severamente nerfado pela Riot para se encontrar em uma posição mais aceitável. Sua habilidade Q, a Esfera Nula, parou de causar silenciamento e passou a apenas cancelar as canalizações do alvo atingido, assim como a Ultimate do Viktor.

Já seu nerf mais expressivo foi em sua Ultimate Caminhar na Fenda, que é a chave para o seu kit todo funcionar. O máximo de acúmulos da habilidade foi reduzido de 10 para 5, e o retorno de mana que existia caso essa habilidade atingisse um adversário foi removido por completo.

Essas mudanças seguraram o Kassadin, e hoje em dia, seu win rate e pick rate estão bem razoáveis. No geral, ele só é uma escolha interessante quando for extremamente bem planejado, e a maioria dos times o escolhem como last pick sob várias determinadas condições.

  • 1° lugar: Irelia, a Dançarina das Lâminas

Se você possui algum contato com a comunidade internacional de League of Legends, certamente já ouviu a icônia frase que virou meme entre os jogadores: better nerf Irelia.

A campeã passou por duas fases muito complicadas, e precisou passar por várias mudanças até que ela estivesse num ponto mais aceitável. Isso porque tanto antes do seu rework como também depois dele, a campeã acabou saindo dos trilhos e se mostrou como uma escolha totalmente overpower.

Antes de ser completamente atualizada, a Irelia já era absolutamente aterrorizante na top lane, sendo especialmente forte nas filas ranqueadas. Seu kit se parecia bastante com o atual, porém seu W, seu E e principalmente sua Ultimate possuiam efeitos e ativações bem diferentes.

Seu W aprimorava severamente seus ataques básicos, enquanto seu E era um controle de grupo extremamente direto e forte. Se o seu alvo tivesse mais porcentagem de vida que a Irelia, o efeito era um longo atordoamento. Caso ele tivesse menos, era uma potente lentidão.

Depois de seu rework, a ideia da campeã se manteve bem parecida, mas suas habilidades passaram a ter execuções mecânicas bem mais interessantes e apropriadas para a época. Porém, nas primeiras semanas pós rework, a campeã dominou completamente o League of Legends.

Com sua fase de rotas agressiva, sua mobilidade surreal e seu alto controle de grupo, a campeã era uma arma praticamente imparável nas mãos de jogadores hábeis. Por isso, severos nerfs precisaram ser realizados na campeã, reduzindo alguns de seus efeitos de dano e removendo o efeito de desarme da sua ultimate.

Após varias mudanças para controlar toda essa dominância da campeã, ela se encontra em um ponto bem mais satisfatório hoje em dia. Sua taxa de vitória nas filas ranqueadas está em torno de 49%, mas ela continua sendo uma das campeãs mais populares da rota do topo e consegue ser extremamente forte nas mãos de jogadores que conseguem dominar todo o seu kit.

  • FINALIZAÇÃO

Dentre todos essas mudanças, nerfs e buffs que acompanham todos os patch notes, só nos resta ficarmos sempre antenados para sabermos quais campeões serão escolhas fortes para começarmos a usar nas filas ranqueadas, e quais provavelmente estarão fora de cogitação por um bom tempo.

Não se esquece de compartilhar a sua opinião com a gente: qual campeão precisa ser nerfado urgentemente na atualidade?

A todos, agradeço pela audiência de sempre. Deixe o seu like nesse vídeo e se inscreva no canal da Prota se quiser seguir recebendo o nosso conteúdo diariamente. Nos vemos em breve, e até lá, boa sorte em Summoners Rift!

Compartilhe em suas redes socais!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

shares